Movimentos rumo à Chinalização do Mundo

Posted on Novembro 12, 2011

0


Acredito que o “modelo” mais interessante, do ponto de vista dos 1%  das sociedades, é a China: megaprodutividade, relações trabalhistas precárias, alta exploração ambiental e repressão/ausência de direitos sociais e individuais. 


O 1% global é composto de elites diversas e classe política e militar de alto escalão (e se repetem em cada país) e representam esse pequeno ponto sujo na história da humanidade que amplifica suas posses e riquezas na mesma proporção que o outro lado, os 99% empobrecem.
Esse modelo está em aprimoramento, ainda, na China. Agora o Dragão ‘capitamunista’ busca aprender com os excessos do Estado de Bem Estar Social Europeu. Isto é, os dirigentes ‘capitamunistas’ chineses não levam em consideração que grande parte dos déficits e dívidas europeias se deu em virtude do salvamento de bancos, na crise de 2008. 
Por isso, “estamos a salvo” mais meia década, no máximo. Mas outros laboratórios (assim como foi o Chile de Pinochet: laboratório fascista neoliberal, ou seja, versão sem discurso comunista da China) começam a surgir: a Itália, a Espanha e Grécia, todos no continente da “civilização”. Veja alguns indícios/movimentos que aconteceram neste mês de novembro:


Itália: substituição de Berlusconi por tecnocrata avalizado pelo 1% global:

Após três mandatos e muitos escândalos, Berlusconi anuncia enfim sua renúncia

Grécia: substituição de governo eleito por tecnocrata avalizado pelo 1% global:
Os tecnocratas não ouvem os 99%. São “pets” altamente domesticados. A escolha política deixa de existir. A dimensão política deixa de existir. Somente ECONOMIA (como se ela nao fosse política) e a última palavra vem de fora, nunca dos cidadãos de um determinado país. Nossa luta pela possibilidade da Utopia, passa pela redefinição de nosso papel enquanto cidadão, tomando as rédeas destes cavalheiros vitorianos, para orientar novas relações sociais, culturais, políticas e ambientais no mundo. E passa pela transformação orgânica da Democracia.